Quem sou eu sem Ana Paula Valadão?

Uma coisa bem pessoal tem me incomodado ultimamente. Ela parece simples, mas, para a minha experiência, é profunda.

Eu cresci ouvindo exclusivamente música evangélica. Só me libertei dessa maluquice depois dos vinte e cinco anos ou mais. Mesmo quando comecei a ouvir coisas “seculares”, a maior parte do meu repertório ainda era gospel.

Sempre fui super ligado à música. Para vocês terem ideia, quando eu era criança, não brincava na rua. Eu passava a tarde toda ouvindo discos, cantando junto com eles e aprendendo a harmonizar. A maioria de vocês deve saber que eu fui, como dizem, “ministro de louvor”, e alguns de vocês devem saber que eu estava por trás das produções musicais da igreja dos meus pais. Música não era só algo que eu fazia nos cultos. Eu cantava literalmente todo dia. Esse era meu hobby, minha paixão, e meu conforto.

O problema de ouvir apenas material gospel a vida toda é que, quando você se desvincula da religião, fica sem música para cantar. É bizarro não ter nada na cabeça além de letras que um dia foram importantes para mim e hoje soam absurdas e nocivas. Um dias desses, talvez eu escreva mais profundamente sobre essa questão. O lance nocivo. Mas hoje estou apenas fazendo um desabafo espontâneo.

Ter sido proibido de ouvir o “secular” me tornou um adulto desmusicado em vários sentidos. Tipo ter aquela música sempre na manga quando pedem para você dar uma canja ou um acervo favorito para os meus momentos sentimentais. Eu não tenho canções que me confortem hoje e não sei o que cantar quando estou feliz. Para quem foi criado à base de música, cara, isso  é triste para caramba. Às vezes dói e de vez em quando é revoltante.

Parei totalmente de ouvir coisa evangélica há uns dois anos, talvez. E, apesar de eu ainda escutar música, você sabe como é. O pop só fala de chifre e de sacudir a bunda; raramente se aprofunda em algum assunto importante. Nada contra, com certeza, mas não é o tipo de coisa que pode preencher o espaço que meus louvores um dia favoritos ocupavam na minha rotina, agregando a ela significado e perspectiva. Então estou órfão de uma das coisas mais importantes que tive na vida.

Quando estava triste, eu cantava minha tristeza em oração. Quando estava feliz, eu cantava minha gratidão a Deus. Se eu passava por dificuldades, tinha canções para mandar fogo no capeta ou clamar por intervenção divina. Hoje, nada disso faz sentido. E essa parte não me incomoda muito, porque estou feliz de ter rompido com meus antigos valores. O problema é não saber mais como deixar minha voz sair do coração para ele criar seus caminhos musicais no presente. Para interpretá-lo e ressignificá-lo através da canção. É procurar no meu repertório alguma coisa para encher um momento e só encontrar o que artistas cristãos escreveram sem perceber que era absurdo.

Enfim… Ninguém devia escutar apenas conteúdo religioso. Romper com a religião organizada já é difícil o bastante, e não é justo que esse rompimento ainda leve embora consigo uma companheira tão essencial quanto a música.

Sim, eu aceito sugestões de bandas que se aprofundem em temas importantes. E podem enviar também o número de telefone de qualquer um que exorcize vozes de cantores gospel da minha cabeça, por favor.

6 comentários

    1. Eu aprovei esse comentário só pra todo mundo ver o tipo de coisa sem noção que eu tenho que ler. Fazia tempo que não lia um comentário tão sem pé nem cabeça. Nem sei se isso qualifica como comentário, porque não tem relação nenhuma com o texto. Mas, enfim… Mais um exemplo da prepotência e condescendência evangélica que o mundo todo reconhece e odeia, menos os evangélicos.

  1. Uau, deve ser muito foda não ter outro repertorio que não religioso.
    A minha sorte que eu tive um pai que nem sempre me mostrou musica, como Phil Collins, George Michael, Michael Jackson, entre outros.
    Recomento que escute Alicia Keys ela muito boa. Se precisa de musicas românticas pode falar comigo.
    Um beijo

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s