Já escandalizou alguém com a aparência do mal hoje?

— Não faça isso.

— Por que não? É a coisa certa a fazer.

— Tem quem pense que é pecado. Pode se escandalizar.

— Mas que culpa eu tenho?

— Devemos fugir da aparência do mal.

Não sei quantas vezes estive dos dois lados dessa conversa. Só sei que lamento ter recebido e oferecido essas respostas sem pé nem cabeça.

O Evangelho traz a maravilhosa notícia da liberdade. Anuncia que nossas escolhas não estão sob o domínio da mentalidade da época em que vivemos. Somos livres para escolher qualquer coisa, contando com a direção do Espírito e o conselho do amor. Mesmo que essa liberdade toda implique o risco de fazer escolhas impopulares eventualmente.

Jesus foi um ótimo exemplo disso. Fazer apenas o que refletia o caráter do Pai nunca significou agradar todo mundo. Na verdade, seguir a orientação do Espírito fez de Jesus um cara extremamente subversivo e escandaloso. Isso tem a ver com o que ele disse a Nicodemos:

O vento sopra onde quer. Você o escuta, mas não pode dizer de onde vem nem para onde vai. -Jo 3.8

Os que são guiados pelo Espírito são livres como o vento. São imprevisíveis. Como Jesus, não calculam seus passos para proteger sua reputação ou para satisfazer um padrão coletivo de moralidade.

Escandalizar, em português e no nosso contexto, significa “chocar, originar indignação, transgredir os hábitos e a moral vigentes” — todas coisas que Jesus fez. Mas a palavra skandalizo, que traduzimos para “escandalizar”, não significa nada disso em várias de suas aparições no texto original bíblico. Quer dizer “fazer alguém tropeçar” ou, idiomaticamente, “conduzir alguém a pecar”. Nesse sentido bíblico, você simplesmente não pode escandalizar alguém sem querer, sem ter a intenção de fazer alguém errar.

Quanto ao famoso “abstende-vos de toda a aparência do mal”, o que Paulo quis dizer foi melhor traduzido pela NVI: Afastem-se de toda forma de mal. A palavra “aparência” está no texto, não para se referir a tudo que possa parecer mal, mas ao mal independentemente da maneira como se manifeste.

Eu me sinto compelido a explicar essas coisas. Mas não pelo simples esclarecimento neste texto, e sim por causa dos sérios desdobramentos da nossa cultura antiescândalo, que vou abordar num próximo texto.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s