Faça um favor: goste de você

Se cumprimos o protocolo, parece que ninguém liga se estamos fingindo. O importante é ser igual. E nesse contexto, o diferente incomoda. Por isso escondemos nossa real identidade: medo da rejeição.

Um choque de realidade

Não é por pura maldade que a maioria das pessoa usa máscaras. É por aceitação. Só que, mais cedo ou mais tarde, fingir nos deixa exaustos. Percebemos que a aceitação que nos oferecem é tão superficial quanto a versão de nós mesmos que projetamos.

Quando essa ficha cai, retomar a autenticidade parece uma urgência quase palpável. Sentimos que a integridade carrega a promessa de uma vida mais feliz. Por que não, de uma vez por todas, escolher a integridade?

Um pensamento assustador

Eu compartilho uma quadra com meus amigos todas as sextas há quinze anos. Vai ser muito difícil finalmente dizer a eles, vestindo minha camisa do Palmeiras, que eu odeio futebol. Vou ganhar a fama de mentiroso, porque fingi por todo esse tempo. Não serei mais convidado aos jogos. O vínculo entre nós vai ser quebrado e vou perder meus únicos amigos.

Um pensamento consolador

Vá com calma. Integridade não começa com uma confissão pública. Começa com você mesmo abraçando a verdade sobre si. Mas, se as pessoas que se dizem suas amigas não gostam de você pelo que é, então gostam de outra coisa, não de você. Temos medo de ficar sem ninguém, mas o mundo está cheio de pessoas como nós, em busca de gente diferente e autêntica.

Mas quem sou eu?

A maioria de nós nega sua identidade aos outros por tanto tempo, que acaba se acostumando a negá-la a todos, inclusive a si próprios. Muitas vezes, o desafio não é contar a verdade, mas saber qual é a verdade sobre nós. Criamos tantos personagens, que não sabemos quem é que nos olha de volta do reflexo no espelho.

Você primeiro

Eu sei que você está louco para sair correndo pela rua, gritando que odeia seu escritório e seu sorriso amarelo, e que sua verdadeira paixão é construir castelos de areia. Mas antes, a primeira pessoa que precisa se sentir bem com isso é você. Boa parte do nosso medo do que os outros vão pensar é, na verdade, um reflexo da nossa autorrejeição. Mas, se você realmente está confortável na sua pele, não existe vaia coletiva que o desestabilize.

A aprovação mais importante já é sua

Você precisa parar de mentir a si mesmo. Aceitar o que é; o bom e o ruim. Aprender a gostar dessa coisa única e diferente de tudo que é você. E a melhor maneira de sentir-se assim tão confiante é saber que Deus, o ser mais complexo, glorioso, poderoso e sensacional que existe, ama você e o aceita plenamente agora mesmo. O seu eu de verdade. Ele realmente gosta. E se o apreço dele é mesmo tão grande e se torna sua experiência, não é qualquer rejeiçãozinha que vai colocar você para baixo.

2 comentários

  1. Mais um texto que curti!
    Bem bacana essa explanação Mitch.
    O que me conforta sempre é saber que sou feita do jeito que Ele desejou, claro que durante o percurso alterações são realizadas e precisamos dele de novo para ajustar alguns parafusos que desgastam.
    Aceitar a si em primeiro lugar, com certeza levará outros a nos aceitarem.
    Bem reflexivo e despertador.
    Valeu por compartilhar.
    Abraços,

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s